Notícias

Proteção Veicular

O acelerado crescimento da população e dos grandes centros urbanos do nosso país, gerou o aumento da necessidade das pessoas de se locomoverem para os mais diferentes locais nas cidades, e fez também com que cada vez mais veículos circulem e trafeguem pelas rodovias brasileiras, gerando um aumento significativo nas ocorrências de acidentes de trânsito, e de crimes como roubos e furtos de veículos.

Com o aumento dessas ocorrências, as pessoas se viram na necessidade de proteger de alguma maneira o seu patrimônio, e acabaram recorrendo a seguradoras tradicionais, que cobram um valor definido préviamente, para que o segurado tenha o seu veículo protegido de acidentes, roubos, furtos, e outros sinistros, sendo indenizados caso ocorram. Porém, com o aumento da procura por essas instituições, as seguradoras convencionais acabaram subindo muito o preço, fazendo com que pessoas com menor poder aquisitivo não pudessem arcar com o valor exigido, e tivessem que buscar outras alternativas para manter o seu veículo seguro, pois contar com a sorte nos dias de hoje, pode não ser a melhor escolha.

Na busca por outras maneiras de manter o veículo protegido contra sinistros, sem ter um custo muito elevado, as pessoas começaram a recorrer a associações e cooperativas de proteção veicular, que nada mais são do que um grupo de pessoas, que se uniram e fizeram uma espécie de divisão no valor de possíveis sinistros, e passaram a juntar fundos para a cobertura de imprevistos indesejados que possam vir a acontecer.

De maneira um pouco mais resumida, é como se um grupo de 20 pessoas, por exemplo, cadastrassem seus veículos e, juntos, pagassem por mês uma quantia estipulada que seja o suficiente para cobrir gastos com sinistros que possam acontecer com cada associado. Para que essa associação dê certo, é necessário que se tenha um apoio jurídico, a fim de evitar inadimplências e fraudes, uma boa assessoria contábil, para que os valores cobrados a cada um dos associados seja o suficiente para cobrir qualquer sinistro que esteja incluído no pacote de coberturas, e de um mecânico de confiança, para que os problemas sejam resolvidos mais rapidamente.

Esse tipo de associação é apontado como ilegal por muitas seguradoras tradicionais, porém a criação de associações de pessoas para a proteção de interesses mútuos, sem fins lucrativos, é permitida e regulamentada pela constituição e Código Civil.

Tags: